Conheça a Universidade de Harvard: A Mais Prestigiada dos EUA

nenhuma universidade no mundo possui um orçamento anual superior ao de Harvard, o que explica em grande parte seu altíssimo padrão de qualidade

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Atualizado em
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O nome da Universidade de Harvard sempre é associado à excelência do ensino e pesquisa.

A instituição é também figura presente nas listas de principais universidades do mundo. Isso com toda a razão.

A importância de Harvard

Harvard formou 8 presidentes dos Estados Unidos, além de ter 150 prêmios Nobel distribuídos entre estudantes, professores e funcionários da instituição.

Localizada no estado de Massachussets, possui vários campi distribuídos entre várias localidades na região metropolitana de Boston.

É importante frisar que essa associação de Harvard à excelência não se deu por um acaso, e ela acontece depois de longo processo histórico.

   

Aqui, cabe discutirmos e entendermos como isso aconteceu.

Essa universidade existe desde o século XVII e seu percurso acompanhou grandes mudanças na história dos Estados Unidos e das universidades no geral.

Formação da Universidade de Harvard: da colônia britânica ao século XX

Universidade de Harvard
Universidade de Harvard – Imagem por Joseph Williams. Licença CC BY 2.0

A Universidade de Harvard foi a primeira inaugurada na então colônia britânica na América do Norte, em 1638.

Sua criação foi aprovada pelo “Great and General Court of the Massachusetts Bay Colony”, dois anos antes.

Inicialmente, seria nomeada como Universidade de Cambridge, cidade daquele estado onde era localizada (o campus da cidade permanece como seu principal até o momento presente).

Sobre John Harvard

Porém, em 1639 foi renomeada como Harvard College, em homenagem ao clérigo John Harvard.

Este, um ex-aluno e então recém falecido aos 31 anos, em 1638, tornou-se um primeiro benfeitor daquela universidade ao deixar a ela cerca de 400 livros, além de uma quantia de aproximadamente 700 libras (Encyclopedia of World biography, 2020).

Ainda hoje também, a estátua de John Harvard, é colocada como símbolo importante da universidade, monumentalizada numa de suas entradas (Harvard, s/d).

Estátua John Harvard
Estátua John Harvard – Imagem por alainedouard. Licença CC BY-SA 3.0

Harvard nunca foi efetivamente uma universidade confessional, embora bem alinhada a princípios do puritanismo.

Muitos de suas primeiras gerações de alunos tornaram-se clérigos, sobretudo das igrejas unitárias ou unitaristas e das congregacionais.

Instituição secularizada

   

A partir do século XVIII, Harvard também passou pelos processos de secularização pelo qual o mundo também se desenrolou a partir dali.

Momento notório, no século posterior, se deu na gestão de Charles W. Elliot, que presidiu a universidade entre 1869 e 1909. A partir de Elliot, o cristianismo perdeu sua posição privilegiada nos currículos.

Além disso, em 1879 foi formado o Radcliffe College, instituição voltada ao ensino superior de mulheres e de humanidades, que seria anexado formalmente a Harvard em 1977.

Ao longo do século XX, Harvard aumentou seu renome internacional, tornando-se em 1900 um dos membros fundadores da Associação das Universidades Americanas (Association of American Universities, 2010).

Hoje, é a universidade com o maior orçamento anual do mundo.

O financiamento da Universidade de Harvard

Nenhuma universidade no mundo possui um orçamento anual superior ao de Harvard, o que explica em grande parte seu altíssimo padrão de qualidade.

Em 2019, com aumento de 4,3% de investimentos anuais recebidos, Harvard atingiu a cifra de 40,9 bilhões de dólares (Rosenberg, 2019).

A título de comparação, a verba para todas as instituições federais de ensino no Brasil, juntas, à época de cortes anunciados pelo Ministério da Educação em 2019 era pouco inferior a 50 bilhões de reais (Tenente e Figueiredo, 2019).

Mas qual é a principal fonte de financiamento da Universidade de Harvard?

Privada, sem fins lucrativos e comunitária

Universidade de Harvard
Universidade de Harvard – Imagem por David Mark em pixabay.com

Harvard é uma universidade privada sem fins lucrativos.

Esse status é, no geral, atribuído a entidades privadas geridas de maneira comunitária – que inclui associações de uma ou mais pessoas jurídicas, cooperativas, fundações, etc. – além de entidades confessionais (igrejas, entre outros) e filantrópicas.

No geral, tratam-se de instituições voltadas a atender demandas sociais de maneira complementar ao poder público, funcionando com uma lógica distinta das empresas privadas, como as sociedades anônimas.

Um modelo de gestão voltado à cidadania e atuação política

Do modelo de gestão adotado por Harvard, normalmente existe maior independência de currículos e pesquisa.

Além disso, há ênfases formativas não voltadas somente ao mercado de trabalho e negócios, mas articulado com demandas mais amplas, nas quais envolvem cidadania, atuação política e científica, entre outros.

Assim, Harvard, além de alguns meios próprios de autofinanciamento, recebe muitos investimentos de doadores externos. 

E, considerando o que foi dito acima – de se caracterizar como uma empresa privada não lucrativa voltada a atuar no interesse público – seu principal financiador o próprio poder público.

O mito do capital privado

Capital EUA
Imagem por Viacheslav Bublyk em unsplash.com

É um mito bastante difundido no Brasil de que as universidades estadunidenses sejam financiadas apenas por capital privado.

Nos Estados Unidos, cerca de 60% da verba de financiamento de pesquisas provém do estado.

Empresas privadas correspondem a um montante de somente 6% desse financiamento, que também inclui grandes fundos de investimento vindos das próprias universidades, além de financiamentos de outras organizações não lucrativas (Caires, 2019).

Investimento do governo dos EUA

Assim, o governo estadunidense investe cerca de 516 bilhões de dólares por ano nas mais de 800 universidades públicas do país, que comportam 73% dos estudantes de ensino superior matriculados nelas.

Desse valor, pouco mais de 180 bilhões vão para as 10 principais universidades do país que, além de Harvard, tem Stanford, Princeton, Yale e outras renomadas.

A Universidade de Harvard, sozinha, recebe do governo cerca de 35 bilhões de dólares ao ano (Sellingo, 2015).

Não é de se desconsiderar que 22% da verba anual de Harvard venha de pagamentos de discentes, além de cerca de 17% dos valores que recebam venham de outras formas de doação privada, conforme relatório da universidade (2020).

   

Clique aqui saiba mais sobre as formas de funcionamento das diversas organizações públicas e privadas!

Universidade de Harvard: a alma mater

Como destacado anteriormente, a Universidade de Harvard, mais que instituição de ensino e pesquisa de grande renome, consolidou-se como uma alma mater da elite política, econômica e intelectual dos Estados Unidos.

Dessa maneira, junto com a qualidade e enorme financiamento, existe um ethos formado em torno dela como formador de figuras que deverão ser personalidades de destaque na esfera pública daquele país.

John Adams, Thomas Jeferson e Theodore Roosevelt

Isso explica os vários presidentes que já passaram pela universidade de Harvard. John Adams e Thomas Jeferson, dois dos founding fathers da independência estadunidense, estudaram em Harvard.

Além desses, destacam-se Theodore Roosevelt, Franklin Delano Roosevelt e Woodrow Wilson, presidente dos Estados Unidos durante a I Grande Guerra e idealizador da Liga das Nações.

George H. W. Bush e Obama

Barack Obama
Caricatura de Barack Obama. Imagem por DonkeyHotey. Licença CC BY 2.0

Dwight Eisenhower, presidente dos EUA durante a II Guerra e John F. Kennedy, além de George H.W. Bush e Barack Obama completam os presidentes americanos que passaram por ali.

Há personalidades importantes em diversos campos, como a escritora Margaret Atwood, autora de “O Conto da Aia” (1985) e Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, figuram entre ex-alunos de Harvard.

O Conto da Aia
O Conto da Aia, Margareth Atwood

Prêmios Nobel da Universidade de Harvard

Harvard possui, ao todo, 151 premiações no Nobel. Elas estão listadas no site da instituição (Harvard, s/d).

Aparecem, por exemplo, no prêmio Nobel da Paz de 1985, pela criação do “International Physicians for the Prevention of Nuclear War”, quatro médicos formados na universidade. Há várias outras premiações em áreas diversas como medicina, física, economia, literatura, química e outras.

Conclusão

A Universidade de Harvard tem uma longa história que acompanhou grande parte da trajetória dos Estados Unidos, de sua colonização até os dias atuais.

Assim, observou muitas transformações, influenciadas por mudanças diversas no mundo.

Harvard acompanhou o país no qual foi fundada da posição colonial até sua ascensão como potência.

Nesse ponto, assumiu lugar de centro irradiador de personalidades ali formadas para se destacar em diversas áreas do conhecimento.

Muito do que Harvard significa deve, também, fazer-nos refletir sobre a importância das universidades.

Essa universidade não teria seu alcance e influência mundial sem as condições materiais para tanto, na qual se incluem grande investimento governamental, acompanhado também de uma cultura enraizada de benfeitoria de ex-alunos e grandes empresas que fazem doações.

Modelo de gestão voltado ao longo prazo

Centro Científico da Universidade de Harvard
Centro Científico da Universidade de Harvard – Imagem por Gunnar Klack. Licença CC BY-SA 4.0

Junta-se a isso o sucesso de um modelo de gestão menos implicado com lógicas de lucro ou de atendimento de demandas voláteis e imediatistas do mercado, o que impacta duplamente na atuação da universidade.

Vemos, ainda, que a Universidade de Harvard se volta à atuação extensa na esfera pública dos EUA e de outros países.

Nessa perspectiva, em 2018, Harvard tinha pouco mais de 21% de seus alunos nascidos fora dos EUA (Harvard, 2018).

Dessa forma, seu espectro de influência e impacto ao redor do mundo torna-se maior e mais amplo.

Toda essa influência, por fim, vai além propriamente daquelas aplicações diretas dos conhecimentos adquiridos nos cursos de graduação e pós-graduação.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ASSOCIATION OF AMERICAN UNIVERSITIES. Membership Policy. 12 jan. 1999, revisado em 20 abr. 2010. Acesso em 05 ago. 2020.

CAIRES, Luiza. Nos países desenvolvidos, o dinheiro que financia a ciência na universidade é público. Jornal da USP, 24 mai. 2019. Acesso em 05 ago. 2020.

CARVALHO, Cristina Helena Almeida de. A mercantilização da educação superior brasileira e as estratégias de mercado das instituições lucrativas. Revista Brasileira de Educação, v. 18, n. 54: 761-801, jul.-set. 2013.

HARVARD UNIVERSITY. Endowment. Acesso em 05 ago. 2020.

HARVARD UNIVERSITY. History. Acesso em 05 ago. 2020.

HARVARD UNIVERSITY. Student Life. Harvard University International Student Report. Acesso em 05 ago. 2020.

JOHN HARVARD. Encyclopedia of World Biography. Atualizado em 04 ago. 2020. Acesso em 05 ago. 2020.

SELLINGO, Jeffrey. Are Harvard, Yale, and Stanford really public universities? The Washington Post, 06 abr. 2015. Acesso em 05 ago. 2020.

TENENTE, Luiza; FIGUEIREDO, Patrícia. Entenda o corte de verba das universidades federais e saiba como são os orçamentos das 10 maiores. G1- Educação. 15 mai. 2019. Acesso em 05 ago. 2019.

Igor Rocha

Igor Rocha

Historiador de formação e comenta sempre sobre política. Além disso, aprecia uma boa cerveja, rock e metal. É ainda mestre e doutor em História pela UFMG.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

2 respostas

    1. Olá, Hermes!

      Agradecemos o seu comentário!
      Sinta-se à vontade de divulgar nosso post, com a devida creditação, em suas redes sociais!

      Abraços,

      Equipe De humanas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Posts recentes

Posts populares