fbpx

Entropia na Administração e seus Efeitos nas Organizações

na entropia, as formas organizadas têm de buscar modos de lutar contra esse total esgotamento

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Atualizado em
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Em primeiro lugar, entropia é um termo vinculado ao estudo das transformações de energia.

No entanto, sabemos que a administração é um campo de estudo imensamente amplo, capaz de englobar uma infinidade de conhecimentos de muitas outras disciplinas.

Logo, utilizaremos o tema da entropia aqui para explicar noções administrativas fundamentais.

A entropia “administrativa”

Entropia
Imagem por Gerd Altmann em pixabay.com

A ideia de entropia traz consigo propriedades dos chamados sistemas abertos, como as noções de homeostase e equifinalidade.

Nesse sentido, esse conceito parte de um princípio interdisciplinar da biologia e da termodinâmica¹.

Assim, ele determina que toda forma organizada, como um sistema social vivo, tende a se esgotar caminhando para a desorganização e à morte.

Entropia e as organizações como sistemas abertos

Em resumo, a noção entrópica está intimamente relacionada com a Abordagem dos sistemas abertos.

   

Esta abordagem explica que todas as organizações são vistas como sistemas abertos. Assim, geram entradas (inputs), processos e saídas (outputs), conforme ilustra a imagem abaixo:

Processos entrada e saída
Ilustração por dehumanas.com.br

Aqui, as entradas correspondem aos recursos, como mercadológicos, materiais e humanos.

Dessa forma, à medida que há o processamento de algum desses recursos, resultam-se produtos e serviços em forma de saídas. Essas são os resultados e objetivos que antes foram planejados pelos próprios membros da organização.

Portanto, existe uma relação de troca com o ambiente.

É importante destacar que as organizações além de serem influenciadas por ele, também influem sobre o meio buscando alcançar um estado dinâmico de equilíbrio.

Nesse sentido, as formas organizadas têm de buscar modos de lutar contra esse total esgotamento. Necessitam fornecer e alcançar um retorno de energia maior do que aquela gerada por meio de suas entradas.

Logo, a energia utilizada em todos os seus processos deverá ser menor que a energia retornada a ela, caracterizando-se, assim, pela sintropia ou entropia negativa.

Tudo acaba em confusão e caos

Como explicamos anteriormente, o processo entrópico é uma grandeza termodinâmica utilizada para medições moleculares. Isto é, não é propriamente um termo formulado pela ciência administrativa.

No entanto, ele nos ajuda a melhor compreender os modelos organizados tais quais conhecemos hoje.

Conclui-se, sobretudo, que esse conceito se soma a diversos outros princípios contidos na Teoria dos sistemas abertos, que vincula a “confusão” e o “caos” a todas as formas estruturadas presentes.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

¹ver crítica da utilização deste conceito no artigo “Desafiando a interdisciplinaridade na ciência administrativa: o caso da entropia”, descrito na bibliografia abaixo.

CHIAVENATO, Idalberto. Recursos Humanos – O capital humano das organizações; São Paulo, editora Campus, 2009.

ARAÚJO, Uajará; SANCHES JÚNIOR, Paulo; GOMES, Almiralva. Desafiando a interdisciplinaridade na ciência administrativa: o caso da entropia; Cad. EBAPE.BR, v. 13, nº 4, Artigo 1, Rio de Janeiro, Out./Dez. 2015.

Leonardo Marioto

Leonardo Marioto

Servidor público. Músico e escritor nas horas vagas. É também responsável pelo maior site de humanas do Brasil! Formado em Administração pela UNICEP, com especialização em Gestão Organizacional e de Pessoas pela UFSCar

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Posts recentes

Mais lidas