Filosofia Ocidental: Os Primeiros Passos na Grécia Antiga

iniciou-se uma busca por explicações sobre a constituição do universo, despertando, assim, o surgimento da filosofia ocidental

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Atualizado em
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Primeiro, antes de iniciarmos nossa jornada pelas origens da filosofia ocidental, dedicamos este post pelo fato desta ciência ter influenciado diversas outras áreas do conhecimento, como o campo da administração.

Então, vamos lá!

A história da filosofia tal qual a conhecemos hoje, isto é, como uma ciência sistematizada e racionalizada, surge na Grécia Antiga.

Mas, é importante ressaltar que aqui iremos dividi-la em duas grandes correntes: ocidental e oriental.

Assim, admitiremos o nascimento distinto de ambas, cada uma em seu próprio tempo.

Adianta-se, porém, que essa oposição é bastante controversa, pois há quem aponte que foi somente com os gregos que essa ciência começou a se tornar teoria. E também aqueles que defendem a influência da filosofia oriental sobre a própria filosofia ocidental, ou seja, com aquela dando início a esta.

Convite à Filosofia, Marilena Chauí
Convite à Filosofia, Marilena Chauí

Surgimento da filosofia ocidental

A princípio, nas denominadas colônias gregas, cidade de Mileto (atual Turquia), início do século VI a.C., começa a se desenvolver a filosofia ocidental.

   

O surgimento filosófico grego pode ser explicado por meio de alguns fatores. Um deles está relacionado com as condições geográficas e históricas da região.

Os gregos contavam, e ainda contam, com uma privilegiada posição geográfica que era muito utilizada para o comércio.

Isso atraia uma grande circulação de pessoas e povos distintos e também uma gritante necessidade de organização da sociedade.

Filosofia ocidental
Mapa da Antiga Grécia, que reconhece profundamente as regiões e as cidades mais importantes desde a Época Arcaica até a época de Alexandre, o Grande – Imagem por Marsyas. Licença CC BY-SA 2.5

Outra condição importante que existiu à época foram as viagens marítimas.

No início, os mitos, e não a ciência, eram utilizados para explicar os mistérios do mundo e oferecer fundamentos para a vida.

Dessa forma, para os gregos, as viagens marítimas funcionaram como um gatilho que permitiram a descoberta de lugares até então desconhecidos a eles.

Essas importantes movimentações, trouxeram luz àquilo que existia apenas no imaginário, alimentado pelos contos das antigas narrações.

Além disso, os mitos determinavam também regras para a sociedade moldando a sua própria moral. Depois, as histórias continuaram a fazer parte da vida grega, mas com outras perspectivas.

Assim, em meio a tantas descobertas e instigados pela curiosidade, iniciou-se uma busca por explicações sobre o surgimento e a constituição do universo.

Filosofia ocidental
Imagem Licença CC0 1.0 Universal

Períodos da filosofia ocidental

Em resumo, a marca principal do surgimento da filosofia ocidental é a evolução de dois períodos históricos, que tem como referência o filósofo Sócrates (470-399 a.C.) de Atenas.

Assim, dada a relevância de Sócrates, a filosofia recebeu a divisão entre os períodos pré-socrático e socrático.

Período pré-socrático

Grosso modo, os filósofos que vieram antes de Sócrates, ou seja, pré-socráticos estabeleceram o marco do início da filosofia grega. As teorias desses pensadores avançaram especialmente entre os séculos VII e V a.C.

Alguns filósofos que se destacaram nessa fase foram Tales de Mileto (considerado como o pai do nascimento da filosofia grega), Pitágoras de Samos, Parmênides de Eléia, Empédocles de Agrigento, dentre outros, cada qual com sua devida importância.

Período socrático

Em se tratando do período socrático, este se desenrolou por dois séculos, mais precisamente do final do século V e todo o século IV a.C. Aqui, evidentemente caracterizado pelo pensamento do filósofo Sócrates e de seus discípulos, como Platão.

Temos ainda, dentre outros importantes pensadores dessa época, o filósofo Aristóteles. Este que foi aluno de Platão.

Conclusão

Como escrevemos no início do texto, povos mais antigos como os hindus e os chineses já detinham conhecimentos a respeito da natureza e do ser humano.

Contudo, estudiosos apontam os gregos como os responsáveis por desenvolverem formas de pensar inéditas.

Do mesmo modo, é interessante também compreender que não houve somente um único motivo causador do surgimento da filosofia ocidental na Grécia Antiga. Ou seja, existiram uma sucessão de fatores que interligados ofereceram ricas condições para essa evolução científica.

   


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CHAUI, Marilena. Convite à Filosofia; São Paulo, editora Ática, 1997.

Castro, Fabiano S., & Landeira-Fernandez, J.. (2011). Alma, corpo e a antiga civilização grega: as primeiras observações do funcionamento cerebral e das atividades mentaisPsicologia: Reflexão e Crítica24(4), 798-809.

Fatores para o surgimento da filosofia grega. Mundo Educação. Acesso em: 21 de fevereiro de 2020.

OLIVA, Alberto; GUERREIRO, Mario. Pré-socráticos: a invenção da filosofia. Campinas: Papirus, 2000.

Leonardo Marioto

Leonardo Marioto

Servidor público. Músico e escritor nas horas vagas. É também responsável pelo maior site de humanas do Brasil! Formado em Administração pela UNICEP, com especialização em Gestão Organizacional e de Pessoas pela UFSCar.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Posts recentes

Posts populares