História da Administração: Os Primórdios da Civilização

na história da Administração, Maquiavel recomendou: se tiver que fazer o mal, o príncipe deve fazê-lo de uma só vez. O bem deve-se fazê-lo aos poucos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Atualizado em
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Primeiramente, antes de iniciarmos nosso percurso pela história da administração, ressaltamos que as formas práticas administrativas, como sugerem muitos especialistas, existem desde os primeiros aglomerados humanos.

Evidenciaremos, neste texto, algumas das civilizações e importantes pensadores que de alguma maneira auxiliaram nessa construção.

Contudo, alertamos que o estudo é amplo, havendo ainda inúmeros outros exemplos a serem também considerados.

História da administração: civilizações antigas

Antiga Roma
Ruínas da Antiga Roma – Imagem por Hocine HADJAZE em pixabay.com

   

Os primeiros relatos da prática da administração, esta frequentemente tomada como sinônimo de administração de empresas, dá-se por volta de 5.000 anos a.C., mais precisamente pelos povos sumerianos, na antiga Suméria, sul da Mesopotâmia (Iraque e Kuwait, atualmente).

Logo, os sumerianos já exercitavam a administração à medida que buscavam diferentes formas para a resolução de seus problemas diários.

Dentre algumas experiências, está a elaboração do famoso Código de Hamurabi cujo objetivo era o de representar um conjunto de leis de forma escrita.

Entre 2000 e 1000 a.C. tivemos também duas outras importantes civilizações que se destacaram com a prática administrativa: Egito e China.

De um lado, a construção das populares pirâmides do Egito demonstraram a aplicação de princípios como autoridade, responsabilidade, distribuição de cargos e tarefas, entre outros fundamentos administrativos.

Em contrapartida, os chineses com a expedição da Constituição de Chow, que detalhava cargos, execução de tarefas e atribuição de responsabilidades claramente lançaram mão de princípios consagrados na literatura moderna como planejamento, organização, direção e controle.

Ainda por volta de 500 a.C., o ex-militar chinês Sun Tzu escreve o clássico “A Arte da Guerra”, livro com ensinamentos usados até hoje por militares e administradores.

A arte da guerra
A Arte da Guerra, Sun Tzu

Influência dos filósofos na história da administração

Ainda que experimentalmente, muitos filósofos também contribuíram para a evolução das ideias administrativas. Estas que seriam utilizadas no futuro em organizações e empresas.

Filósofos clássicos

História da administração
Escola de Arte Atenas, afresco no Vaticano – Imagem por Rafael Sanzio. Domínio Público

Os renomados filósofos gregos como Sócrates, seu próprio discípulo Platão e Aristóteles disseminaram concepções importantíssimas em seus livros.

   

A priori, Platão, autor da obra “A República”, ocupou-se das questões referentes à natureza política e sociocultural gregas. Em sua famosa produção filosófica elaborou preceitos e demonstrou o seu ponto de vista sobre a democracia e a administração da coisa pública.

Confira trecho de “A República” de Platão:

“democracia é uma constituição agradável, anárquica e variada, distribuidora de igualdade indiferentemente a iguais e desiguais. No imposto profissional o justo paga mais e o injusto menos, sobre o mesmo rendimento.”

Em seguida, sob mais uma perspectiva, o filósofo Aristóteles estudou a organização do Estado propondo a sua divisão pública.

Tal divisão foi estruturada da seguinte forma:

  • Monarquia (governo de um só);
  • Aristocracia (governo de uma elite);
  • Democracia (governo do povo).

Assim, Aristóteles trouxe novas questões e grandes avanços às formas do pensar organizado e coletivo.

Quer aprender mais sobre a filosofia ocidental?! Confira mais no artigo abaixo:

Filósofos renascentistas

Por outro ângulo, os chamados filósofos do renascimento, cujo período filosófico desenvolveu-se na Europa, também marcaram presença na história da administração.

Dentre muitos, um dos mais conhecidos pensadores da época foi Nicolau Maquiavel (1469 – 1527).

Maquiavel escreveu em sua obra mais conhecida “O Príncipe“:

Se tiver que fazer o mal, o príncipe deve fazê-lo de uma só vez. O bem deve-se fazê-lo aos poucos.

Nesse livro, Nicolau descreve os comportamentos dos governantes da época, ou, as formas pelas quais estes deveriam se portar. Analisa de modo distinto e peculiar as relações de poder dos dirigentes do Estado, claramente aplicadas às instituições atuais.

história da administração
Niccolò Machiavelli – Imagem por Santi di Tito. Domínio público

Um segundo importante intelectual foi o filósofo inglês Francis Bacon (1561 – 1626). Bacon envolveu-se com a diferenciação prática daquilo que considerou essencial do acessório ou acidental, antecedendo o princípio administrativo do principal sobre o acessório.

Por outro lado, René Descartes (1596 – 1650), filósofo e físico francês compôs em uma de suas obras o denominado método cartesiano. Basicamente, esse método conferiu valor à dúvida, instituindo diversos conceitos de análise, síntese e verificação.

Vários desses princípios integraram a moderna administração, possibilitando o aprimoramento da divisão do trabalho e do controle administrativo.

Na história da administração, “o homem é o lobo do próprio homem”

Na mesma época, Thomas Hobbes (1588 – 1679), filósofo político inglês, escreve “o homem é o lobo do próprio homem“. Hobbes descreve uma forma de sociedade na qual um governo torna-se responsável pela imposição da ordem e da organização social.

Em seguida, Jean-Jacques Rousseau (1712 – 1778), filósofo francês, elabora a “Teoria do Contrato Social” e busca explicar as tendências humanas para a formação do Estado e da manutenção da ordem social, reconhecendo assim a composição de regras e regimes políticos.

Influências da Igreja Católica e dos Militares

soldados americanos
Soldados dos EUA – Imagem por Defence-Imagery em pixabay.com

Ainda assim, duas instituições que igualmente contribuíram para a história da administração foram a Igreja Católica e as Organizações Militares.

   

Considerada como uma eficiente organização formal, a Igreja Católica tem sua estruturação baseada em hierarquia.

Essa estrutura, comandada pelo Papa (unidade de direção), utiliza os mais variados princípios administrativos, trazendo a possibilidade de operar mundialmente. Liderança, divisão do trabalho, avaliação de desempenho são alguns temas encontrados na instituição religiosa.

Em se tratando das Organizações Militares, estas serviram como espelho para as primeiras empresas em relação aos seus modelos administrativos.

Dessa forma, conceitos como unidade de comando, planejamento, centralização, descentralização e escala hierárquica estão explicitamente manifestados no serviço militar.

Logo, contribuíram sobremaneira para o surgimento das chamadas teorias administrativas.

Conclusão

Concluímos, finalmente, que existem diversos outros exemplos de civilizações e intelectuais que também influenciaram a história da administração.

Os casos aqui tratados, portanto, correspondem a uma porção de um todo, parte significativa e valiosa, mas dentro de um rico universo de investigação.

Em resumo, o panorama traçado preocupou-se em demonstrar que ao longo dos séculos as civilizações ainda que indiretamente proporcionaram inspirações às teorias sistematizadas atuais.

Portanto, cabe dizer que as práticas administrativas estiveram presentes desde as primeiras sociedades organizadas.

Confira neste próximo post a importância e a influência da Primeira revolução industrial, ocorrida entre os séculos XVIII e XIX, para a evolução do pensamento científico administrativo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

DI BARTOLOMEO, R.; SANTOS, R. F. As raízes do pensamento administrativo do antigo Egito: A organização das culturas do Saara e do Vale do Nilo. Revista Santa Rita (FACEAS), v. 11, p. 21-29, 2011.

ALFAYA, Taiz V. Teoria Geral da Administração; Faculdade de Tecnologia e CIências – Ensino a Distância, 2015. Acesso em 15 de fevereiro de 2020.

Costa, Alessandra de Sá Mello da, Barros, Denise Franca, & Martins, Paulo Emílio Matos. (2010). Perspectiva histórica em administração: novos objetos, novos problemas, novas abordagensRevista de Administração de Empresas50(3), 288-299.

A História do Pensamento Administrativo. Faculdade Amadeus. Acesso em: 16 de fevereiro de 2020.

CHAUI, Marilena. Convite à Filosofia; São Paulo, editora Ática, 1997.

Leonardo Marioto

Leonardo Marioto

Servidor público. Músico e escritor nas horas vagas. É também responsável pelo maior site de humanas do Brasil! Formado em Administração pela UNICEP, com especialização em Gestão Organizacional e de Pessoas pela UFSCar.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Posts recentes

Posts populares