Henri Fayol: Conheça a Vida e a Teoria do Pai da Administração Clássica!

Fayol foi um homem versátil e visionário cuja visão de mundo privilegiada tem o potencial de até hoje nos alcançar
Retrato de Henri Fayol
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Dentro do mundo da Administração clássica, um dos nomes mais importantes é, sem dúvidas, o de Jules Henri Fayol.

O teórico tem uma trajetória de vida e obra interessantíssima, cuja rotina de trabalho e estudo o levou a fundar a chamada Teoria clássica da administração.

Interessante destacarmos também aqui os trabalhos de seu contemporâneo Frederick Taylor com a Teoria da administração científica.

PUBLICIDADE

Dito isso, faremos então um breve apanhado tanto de sua vida pessoal quanto de sua influência no campo profissional, sobretudo administrativo.

Após percorrermos pela sua biografia, destacaremos os 14 princípios que Fayol desenvolveu, bem como as críticas à sua teoria.

Ao final ainda disponibilizamos um infográfico sobre o ciclo POCCC!

Caso prefira, clique e vá direto ao tópico de seu interesse:

  1. Início da vida de Henri Fayol
  2. Ligação de Fayol com a administração
  3. Principais preceitos da Teoria clássica
  4. 14 princípios da administração
  5. Teoria clássica: ciência e prática
  6. Conclusão
  7. Infográfico

O início da vida de Henri Fayol

Retrato de Henri Fayol
Jules Henri Fayol – Domínio Público

A vida de Henri Fayol inicia na Turquia,  mais precisamente em Istambul meados dos anos 1841.

Fayol era filho de um engenheiro que estava supervisionando os trabalhos da construção da Ponte de Gálata, situada também em Istambul.

Ele e sua família morou no local até o ano de 1847, quando voltaram à França, considerada país natal de seus pais.

Ainda em sua infância e adolescência, no país francês, Jules Fayol desenvolveu gosto pelos estudos.

Quando jovem, começou a se interessar pela engenharia de mineração, área responsável, grosso modo, pela realização de pesquisas sobre reservas minerais.

Aos 19 anos, formou-se na EMSE, escola de engenharia da França. A Ecole Nationale Supérieure des Mines de Saint-Etienne tem o curso de Engenheiro Civil de Minas como um de seus principais focos.

A história de Fayol na companhia de mineração

Em meados dos anos de 1859, Henri Fayol empregou-se em uma companhia de mineração cujos resultados financeiros estavam cada vez mais piores. 

No entanto, devido ao seu empenho e visão, a empresa em questão superou a crise e começou a gerar respostas positivas. Ele conseguiu alavancar a companhia e evitou que ela decretasse falência.

Henri Fayol começou, então, a conciliar o trabalho diário com a elaboração de uma série de ideias sobre gestão, produção e resultados.

A ligação de Fayol com a administração

Graças ao seu excelente trabalho na companhia de carvão, Fayol se manteve em constante evolução nos períodos consecutivos.

Em 1888, após anos de serviços prestados, foi promovido ao cargo máximo de diretor local.

A partir de então, começou a pensar na administração de maneira mais estruturada, estabelecendo importantes conexões teóricas dentro desse campo.

No cargo de diretor, desenvolveu uma série de ideias sobre gestão de negócios, como divisão do trabalho, disciplina, equidade, espírito de equipe, entre outros.

Esses estudos foram responsáveis por moldar as bases da Teoria clássica da administração.

Ao mesmo tempo, Fayol também criou o Centro de Estudos Administrativos.

Acesse aqui o site oficial do Henri Fayol Institute.

Escola Nacional de Minas de Saint-Etienne
Escola Nacional de Minas de Saint-Etienne (EMSE) – Imagem por Johann Dréo. Licença CC BY-SA 2.0

Principais preceitos da Teoria clássica da administração

Aos 58 anos, Jules Henri Fayol reuniu todo o conhecimento que havia adquirido e escreveu o seu livro mais famoso chamado “Administração Industrial e Geral”.

A obra é considerada até hoje um dos principais marcos na área administrativa, dando consequência a cinco pilares básicos muito conhecidos:

  1. Planejamento
  2. Organização
  3. Comando
  4. Coordenação 
  5. Controle

Esses 5 princípios, na busca de uma gestão eficiente (precisão dos meios) e eficaz (excelência nos resultados), deveriam ser levados em consideração por todos os gestores.

Apesar da evolução das técnicas, o livro é sem dúvida leitura importantíssima para a compreensão dos avanços organizacionais atuais.

Nesse sentido, recomendamos a leitura do artigo que trata das funções administrativas modernas PODC, ou seja, um aperfeiçoamento das funções de Fayol com infográfico para download.

Além disso, iremos também ver os 14 princípios do fayolismo, que encontram-se igualmente descritos na obra.

Para saber mais, segue link do livro abaixo:

Administração Industrial Geral, Henri Fayol
Administração Industrial e Geral, Henri Fayol

14 Princípios da Administração clássica

Como destacamos, estes são os 14 princípios da administração clássica de Fayol:

1. Divisão de trabalho

Fayol propõe uma separação de atividades específicas a cada funcionário, de maneira que a divisão do trabalho seja minuciosamente cumprida.

2. Autoridade responsável

Por meio de sua autoridade, o gerente tem o dever de instruir, penalizar e recompensar os seus subordinados, a depender dos resultados por eles alcançados.

3. Disciplina

Cumprimento daquilo que foi acordado entre funcionários e alta gestão, procurando manter as regras estabelecidas.

PUBLICIDADE

4. Unidade de comando

Cada funcionário terá somente um superior hierárquico ao invés de receber ordens de múltiplos chefes.

5. Unidade de direção

Mais amplo que o princípio anterior, a organização terá apenas uma só direção, cuja meta é a de cumprir o objetivo principal que antes fora estabelecido.

6. Subordinação

Obediência e foco no interesse organizacional como um todo em detrimento dos interesses individuais de cada funcionário.

7. Política salarial

O homem é motivado principalmente por vias salariais. A remuneração tem de ser ajustada proporcionalmente conforme a produção de cada um.

Princípios da administração
Henri Fayol (1841 – 1925) – Domínio Público

8. Centralização

Não tão somente ao chefe responsável, mas também na delegação de determinados poderes a subordinados como maneira de fomentar a iniciativa.

9. Linha de autoridade ou cadeia escalar

Também denominada de “ponte de Fayol”, a linha de autoridade corresponde à série de chefias numa cadeia escalar organizacional, sendo que cada chefia constrói ativamente relações diretas e recíprocas, umas com as outras.

10. Ordem

O funcionário deverá obedecer à sua própria zona estipulada de trabalho. O local das atividades de cada um será cuidadosamente estabelecido e cumprido.

11. Equidade

As pessoas serão tratadas de forma justa e equânime, resguardado, no entanto, o direito de punições quando necessárias.

12. Estabilidade

Busca pela preservação da equipe em favor da sua motivação e promoção de desenvolvimento pessoal.

13. Iniciativa

As equipes de trabalho necessitam funcionar de maneira responsável e ativa na busca dos melhores resultados organizacionais.

14. Espírito de equipe

As empresas se fazem por meio de um conjunto harmonioso de colaboradores. Deve haver, portanto, um espírito de colaboração entre os membros para o alcance das metas preestabelecidas.

A importância dos 14 princípios da administração de Fayol

Fayol desenvolveu diversas outras ideias que auxiliaram na separação da área administrativa das funções compreendidas como mais técnicas em uma empresa.

Assim, seus estudos promoveram um melhor entendimento das funções características de gestores e administradores.

Ressalta-se, ainda, que a administração não se confunde apenas com uma tarefa em particular.

Administrar é, sobretudo, uma arte que engloba múltiplas funções com o objetivo de enxergar a empresa como um todo.

Teoria clássica da administração: ciência e prática

A partir de sua esquematização, Fayol ajudou a consolidar diversas áreas que são indispensáveis para qualquer empresa contemporânea.

Foi possível desenvolver frentes, como as áreas de produção, vendas e marketing, finanças e recursos humanos.

Além disso, criou conceitos que ajudaram a definir a estrutura de cargos, métodos e estratégias de produção e do acompanhamento de resultados.

Seu pensamento ajudou na instituição de fatores como especialização de serviços, equiparação salarial, proatividade, liderança e disciplina para que cada setor realizasse o que lhe fosse pedido.

Henri Fayol x Frederick Taylor

Henri Fayol sempre teve o objetivo de consolidar a forma como uma empresa era organizada para que esta gerasse resultados.

Junto com Frederick Taylor, foi capaz de estabelecer as bases do estudo administrativo como uma ciência.

Porém, ao contrário do primeiro, que tinha como ênfase as tarefas, Fayol optava por considerar suas inter-relações estruturais. Ou seja, a organização vista em sua totalidade.

Além da administração

Henri Fayol por ser um crítico do estudo excessivo de cálculos matemáticos contribuiu também para diversas outras áreas, sobretudo no aprimoramento de métodos quantificativos.

Construiu um legado que influenciou diversas correntes de pensamento.

PUBLICIDADE

Uma das mais importantes foi a de Henri Ford, que criou uma companhia multimilionária e desenvolveu a bem-sucedida Teoria do fordismo.

Conclusão

As bases do trabalho e do pensamento de Fayol sempre estiveram vinculadas à organização e ao planejamento prévio em todos os setores de uma empresa.

Ao se formar em mineração e engenharia, e trabalhar por sua vida em empresas desse segmento, o francês ocupou cargos de gerência e teve um importante contato com funcionários e métodos que lhe inspiraram de maneira fundamental.

Diferentemente de Taylor, que estudava a organização de baixo para cima, Fayol tratou de visualizá-la a partir do nível estratégico, isto é, de cima para baixo.

Críticas à Teoria clássica da administração

No entanto, o fayolismo também foi alvo de críticas.

Uma das principais foi a ideia da empresa vista sob a ótica de um sistema fechado. Ou seja, supostamente livre de interferências ambientais externas.

Homo economicus

Além disso, padronizou o homem como um ser estritamente racional e que está meramente em busca da maximização de seus meios salarias e econômicos.

Este conceito ficou conhecido como homo economicus.

Ainda assim, ressalta-se que até hoje suas teorias são acompanhadas e estudadas em todo o mundo.

Influencia diversos gestores a aprimorarem os seus meios de produção, o que faz dele um dos mais importantes teóricos da área da ciência administrativa.

Infográfico

Abaixo, segue nosso infográfico sobre as primeiras funções administrativas POCCC:

Receba a versão original em PDF deste infográfico:

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FAYOL, H. Administração Industrial e Geral. 10 ed. São Paulo: Atlas, 1990.

SILVA, Benedito. Taylor e Fayol. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1960.

MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Introdução à Administração. 4ª Edição. São Paulo: Atlas, 1995.

MOTTA, Fernando C. Prestes. Teoria Geral da Administração: uma introdução. 2ª Edição. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1973.

WIKIPÉDIA. Fayol. Acesso em 15/06/2020.

Servidor público. Músico e escritor nas horas vagas. É também responsável pelo maior site de Administração e Gestão Pública do Brasil. Formado em Administração pela UNICEP, com especialização em Gestão Organizacional e de Pessoas pela UFSCar.

Compartilhe
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Quer receber mais conteúdos incríveis como esse de graça?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Posts recentes

Posts populares

Faça Aulas com Ex-Ministros de Estado!