Peter Drucker: A Biografia e Principais Obras do Pai da Administração!

“a corporação precisa ter em vista não apenas a eficiência técnica, mas também a eficiência moral”

Sem tempo para ler o artigo? Aperte o PLAY e ouça-o na íntegra!

Conhecer a obra de Peter Drucker, o considerado pai da administração, é um excelente ponto de partida para compreender com mais profundidade as teorias da ciência administrativa moderna.

Falaremos aqui um pouco sobre a vida e as principais obras de Drucker, bem como seus ensinamentos essenciais contidos em cada uma delas.

Destacaremos também as famosas “fontes de oportunidades inovadoras”, retiradas do livro “Inovação e Espírito Empreendedor – Práticas e Princípios“, escrito em 1985.

Ao final, confira ainda uma entrevista dada por ele totalmente traduzida para o português!

O que você vai encontrar neste artigo:

1. Quem foi Peter Drucker?
2. Um giro pelas principais obras e conceitos de Drucker
3. As 7 fontes de oportunidades inovadoras
4. Por que o pensamento de Peter Drucker é tão relevante?
5. Entrevista: Peter Drucker, Executivos Eficientes

Quem foi Peter Drucker?

Peter Drucker foi um consultor de empresas que também se destacou no meio universitário.

PUBLICIDADE

Nascido na Áustria em 1909, migrou-se para os Estados Unidos no contexto da dominação nazista na Europa.

Além de judeu, Drucker foi extremamente crítico ao estilo de liderança de Hitler e suas atrocidades humanitárias.

Por esses motivos, ele saiu da Alemanha antes mesmo da 2ª Guerra Mundial e foi viver nos EUA.

Peter como jornalista

Anteriormente à sua inserção no mundo da administração e finanças, sua primeira profissão foi o jornalismo. Trabalhava fazendo coberturas do universo político.

Sua formação acadêmica, de fato, foi em direito. Doutorou-se em direito público e Internacional na universidade situada em Frankfurt, Alemanha.

Drucker como intelectual

Peter Drucker, o pai da administração
Peter Drucker – Imagem por Jeff McNeill. Licença CC BY-SA 2.0

Acima de tudo, Peter Drucker foi um intelectual, no sentido amplo do termo. Possuía obras e citações sobre filosofia, história, economia e, obviamente, administração.

Como consultor, ele atuou na organização da alta administração de diversas grandes corporações.

Logo, não seria exagero afirmar que prestou consultoria e estudou parte das maiores empresas norte-americanas.

Também, atuou auxiliando agências do governo dos Estados Unidos e também de outros países.

Um giro pelas principais obras do pai da administração

Certamente, somente com este artigo não caberia uma análise de toda obra de Peter Drucker. Afinal, esse intelectual escreveu mais de 30 livros e centenas de artigos.

Veja aqui alguns artigos de Drucker, acessando a página oficial de seu instituto “Drucker Institute”

No entanto, analisaremos algumas aferições sobre determinados temas que atravessaram suas obras.

Primeiros livros de Peter Drucker

Em seus dois primeiros livros, nos anos de 1940, Drucker afirma que a “legitimação do poder gerencial se dá quando os valores sociais são desenvolvidos dentro da empresa industrial¹”.

Nessa perspectiva, o propósito social da corporação dá sentido ao trabalho do gerente. O estudioso destaca ainda que “a corporação precisa ter em vista não apenas a eficiência técnica, mas também a eficiência moral²”.

Isso retira da empresa o caráter de alcançar apenas o lucro como objetivo. Acima de tudo, ela tem obrigações sociais que andam lado a lado com os objetivos econômicos.

Outra obra de importante de repercussão no mundo das organizações foi “Concept of Corporation”:

Concept of the corporation, Peter F. Drucker
Concept of the Corporation, Peter F. Drucker

Sua análise sobre o modelo gerencial da General Motors foi bastante estudado em todo o mundo.

Publicado no contexto imediato após a Segunda Guerra Mundial, Drucker analisou a importância da descentralização da gerência em grandes corporações.

Obviamente, essa obra teve grande impacto nas empresas de maior porte.

Administração por objetivos

Já nos anos 1950, a abordagem de Drucker ganha nova relevância.

Sua obra “A Prática de Administração de Empresas” mudou o patamar analítico da área ao propor aquilo que ele chamou de administração por objetivos.

De forma bastante resumida, esse conceito se refere à determinada metodologia para planejamento e também controle administrativo.

O pressuposto básico da Administração por objetivos-APO é a ideia de que para alcançar resultados a empresa necessita definir em que negócio está e onde pretende chegar.

Além disso, é um processo colaborativo de definição conjunta dos objetivos organizacionais. Logo, baseia-se na descentralização das decisões.

Se você achou isso óbvio demais, agradeça ao pai da administração. Ele teve o mérito de trazer princípios da teoria da administração e transformá-los em senso comum.

Drucker e o gestor eficaz

A obra “O Gestor Eficaz“, livro publicado na década de 1960, é um de seus principais livros. Talvez, essa obra significou uma grande virada no conjunto de textos produzidos por Drucker.

Deixar de citar os principais pontos dessa publicação deixaria este artigo incompleto.

O livro tornou-se um clássico por sua análise simples e direta sobre como o gerente deve se portar no cotidiano empresarial:

O Gestor Eficaz, Peter Drucker
O Gestor Eficaz, Peter Drucker

Acima de tudo, Drucker aponta a necessidade de gerenciar tendo objetivos. E, por esse motivo, torna-se essencial estabelecer rotinas e ações práticas para o desenvolvimento organizacional.

Nessa perspectiva, a melhor forma de gerenciar as pessoas é começar a gerenciar a si mesmo. E isso inclui gerenciar seu próprio tempo.

Para Drucker, confere ao gestor eficaz:

  • Pensar sempre no que ele pode fazer para contribuir e impactar nos resultados organizacionais;
  • Entender a necessidade de definição de um alvo para sua companhia;
  • Auxiliar sua equipe com ferramentas para melhorar os resultados das pessoas e da empresa;
  • Focar no desenvolvimento de seu conhecimento prático.

Em seus estudos, defende que todos grandes gerentes têm pontos fortes e fracos. Contudo, devem dar ênfase naquilo que é forte, delegando funções nas atividades que lhes faltam aptidões.

Por fim, concentrar-se nas primeiras coisas, identificando o que é mais importante para aquela ocasião e negando as outras demandas.

Assim, o foco da empresa deverá ser no futuro, sempre a percorrer o caminho para chegar nos alvos predeterminados.

7 fontes de oportunidades inovadoras

Saiba agora quais são as famosas 7 fontes de oportunidades inovadoras do pai da administração!

Em seu livro intitulado “Inovação e Espírito Empreendedor”, o renomeado escritor, professor e consultor Peter Drucker descreve alguns fatores considerados como de extrema relevância a transformações de maneira assertiva.

Esses fatores, que são colocados como possibilidades inovadoras, foram denominados fontes de oportunidades inovadoras.

As fontes, teoricamente, devem ser buscadas para alcançar uma inovação de sucesso.

Um passo atrás…

Antes de aqui dispô-las, é pertinente destacar que para empreender é necessário ter condições, meios e diversos outros tipos de recursos adequados.

Dessa forma, em se tratando de países como o Brasil, as circunstâncias dadas para inovar e empreender são bastante difíceis e limitadas.

Isso pode nos levar a possíveis interpretações distorcidas quanto à nossa própria capacidade empreendedora.¹

Agora, feita a importante ressalva, seguimos então com uma breve descrição dessas fontes que, segundo Drucker, merecem toda a atenção dos empreendedores.

1. Inesperadas

A primeira fonte de oportunidade se dá de forma inesperada.

Um produto ou serviço já oferecido por uma empresa é uma fonte inesperada de inovação quando surgem, por exemplo, demandas completamente distintas de suas finalidades primárias.

Podemos ainda descobrir oportunidades quando da criação de determinado produto cujo fim seja completamente oposto à sua busca inicial.

Um exemplo bem conhecido é o caso dos Post-It, da empresa 3M.

Esse produto que, num primeiro momento, não tinha utilidade, tornou-se uma tremenda inovação!

2. Incongruência

Esta frase nos remete à segunda fonte de oportunidade inovadora:

Entre a realidade como ela é de fato, e a realidade como se presume ser ou como deveria ser (DRUCKER, 1986).

Algumas vezes projetamos e produzimos coisas a certas realidades inexistentes, ao menos naquele momento presente.

Produtos que não estão alcançando valor real aos seus consumidores podem se tornar importantes fontes de mudança.

Ainda, determinados serviços prestados de maneira insatisfatória por seus concorrentes, podem ser a chave para seu sucesso!

3. Necessidade de processo

A necessidade de processo está intimamente relacionada à melhoria de métodos, principalmente em procedimentos diários da organização.

Geralmente, há processos que necessitam de melhorias na entrega do produto.

Aqui, vale a pena destacar o princípio da equifinalidade, que defende a existência de variados meios para se chegar a um mesmo resultado final.

4. Estruturas industriais e mercadológicas

Num mundo cada vez mais globalizado, os setores industriais competem acirradamente por mais espaço no mercado.

Dessa forma, é essencial que se mantenham em constante atenção com as novidades tecnológicas.

Com novas ferramentas à disposição, as empresas poderão atualizar suas formas de produzir, buscando maior eficácia e eficiência.

Ou, ainda, desenvolveram um projeto totalmente inédito!

Fontes de oportunidades inovadoras externas às organizações

Peter Drucker
Peter Drucker – Imagem por Ateitomas. Licença CC BY-SA 4.0

Peter Drucker (1986) nos adverte que as três próximas fontes de oportunidades inovadoras estão alheias ao ambiente interno.

Na verdade, são compreendidas num olhar externo às organizações, diferentemente das que foram apresentadas até aqui.

5. Mudanças na dinâmica populacional

Nossa primeira fonte externa trata-se de mudanças nas dinâmicas populacionais.

Isto é, transformações demográficas em uma determinada região.

Por exemplo, suponhamos que um governo adotará medidas que irão melhorar significativamente a condição de vida de sua população. Com isso, irá diminuir as desigualdades locais, assim como aumentar o poder de compra.

Caso essas medidas tenham sucesso, elas trarão novas oportunidades de empreendimentos àquela região.

Existem, ainda, outras possíveis mudanças.

Por exemplo, uma melhora na expectativa de vida populacional, pode levar a novas possibilidades de mercados, com produtos específicos para clientes de maior idade.

6. Mudanças de perspectivas

Essa possibilidade diz respeito a mudanças no comportamento dos indivíduos em uma sociedade.

Acima de tudo, a evolução do ser humano trouxe versões inéditas de mundos com centenas de novos cenários potenciais.

É certo que mudanças desse tipo são muito mais difíceis de acontecerem, pois dependem de uma sucessão de fatores.

No entanto, trata-se de um terreno extremamente fértil quando há efetivas rupturas em referências ora ultrapassadas.

A propagação, por exemplo, das redes sociais como Facebook e Whatsapp, fez com que o mundo alterasse a sua forma de interação.

Isso ofereceu igualmente um gigantesco mercado online, hoje também muito conhecido como Marketing Digital.

Temos inúmeros exemplos nesse sentido, principalmente quando olhamos para trás ao longo de todo nosso desenvolvimento.

7. Novos saberes

Ciência! Esta é, pois, inovação baseada em novos conhecimentos e saberes.

Chamadas de “superestrelas” por Drucker, a última das fontes de oportunidades inovadoras são as que demandam maior envolvimento laboral.

Como todos nós sabemos, a ciência se constitui por meio de métodos comprovadamente testados, requerendo muito tempo de estudo e trabalho.

Todavia, apesar de toda essa complexidade, mudanças apoiadas em pesquisas científicas, como as exemplificadas no site da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de S. Paulo), agregam valores extraordinários a toda comunidade.

Revela-se que o conhecimento não-científico pode também aqui se encaixar.

No entanto, da mesma maneira, irá requerer algum tipo de busca de informação e método relativamente sistemático para eventual implementação.

Por que o pensamento de Peter Drucker é tão relevante?

Peter Drucker
Peter Ferdinand Drucker – Imagem por IsaacMao. Licença CC BY 2.0

Vale a pena destacar que as análises de Drucker não perderam o fôlego nos últimos anos.

Pelo contrário, sua extensa obra continua a ter muita relevância em diversas frentes, destacando-se tanto na prática propriamente dita quanto no meio acadêmico.

Como pensador, Drucker vislumbrou no passado um cenário que vivemos hoje: com a predominância do trabalho do conhecimento sobre as atividades pragmáticas.

As considerações políticas de Drucker

No aspecto político, Drucker ainda foi um crítico da liderança carismática e da grande burocratização do Estado de bem-estar social.

Para ele, em primeiro lugar, a participação da sociedade civil organizada tem maior relevância sobre o próprio campo político.

Já na administração, sua relevância extrapola o aspecto da gestão e aspectos meramente organizacionais.

Administração é essencialmente uma atividade prática

Sim, esses são elementos importantíssimos em sua obra. Mas, a chave para a compreensão do pensamento de Drucker é que administração é prática.

Nesse aspecto, uma gestão colaborativa e com organizações responsáveis, com visão focada no futuro, Drucker vislumbrava um desenvolvimento mais complexo do que apenas alcançar o lucro.

A administração se faz na relações entre pessoas. E isso envolve a ética, o entendimento do outro e uma liderança que dialoga.

Por fim, Drucker viveu quase 100 anos de vida, tendo falecido em 11 de novembro de 2005.

Sua obra ainda reverbera e parece nunca envelhecer!

Entrevista: Peter Drucker, Executivos Eficientes

Por Gustavo Bianch Silva
Doutor em História pela UFMG

Revisão conceitual Por Leonardo Marioto
Formado em Administração pela UNICEP, com especialização em Gestão Organizacional e de Pessoas pela UFSCar

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

DRUCKER, Peter F. The End oi the Economic Man, Londres, Heineman, 1939.

DRUCKER, Peter F. The Concept of the Corporation, Nova Iorque, Heineman, 1943.

DRUCKER, Peter. O gestor eficaz. 11 ed. São Paulo: Editora LTC, 1990.

DRUCKER, Peter F. Inovação e Espírito Empreendedor – Práticas e Princípios; São Paulo, editora CENGAGE Learning, 2011. 11° ed.

[1] LODI, João Bosco. Introdução à obra de Peter F. Drucker. Rev. adm. empres., São Paulo,  v. 8, n. 29, p. 80-137,  Dec.  1968, p. 85.

[2] Ibidem.

[3] Ibidem.

Servidor público. Músico e escritor nas horas vagas. É também responsável pelo maior site de Administração e Gestão Pública do Brasil. Formado em Administração pela UNICEP, com especialização em Gestão Organizacional e de Pessoas pela UFSCar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *