Aprenda os 14 Princípios da Administração Clássica de Fayol

Fayol propõe a separação de atividades específicas a cada funcionário, de maneira que a divisão do trabalho seja minuciosamente cumprida

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Atualizado em
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Diversos princípios da administração foram, pouco a pouco, sendo elaborados por grandes figuras de renome como Taylor, Fayol, Henry Gantt, Ford.

Hoje, trataremos sobre os 14 princípios de gestão elaborados por Henri Fayol, como a divisão de trabalho, unidade de comando e cadeia escalar.

14 Princípios da Administração Clássica

Princípios da administração
Imagem por Hugo Hercer em pixabay.com

Em conjunto com Ford e Taylor, Henri Fayol contribuiu sobremaneira para o desenvolvimento teórico-prático administrativo.

Grosso modo, Fayol começou a desenvolver sua teoria da Administração clássica em meados do ano de 1890.

Em 1916, ele publica a obra “Administração Geral e Industrial” contemplando princípios a serem seguidos para o alcance de uma gestão eficaz.

Administração Industrial e Geral, Henri Fayol
Administração Industrial e Geral, Henri Fayol

Esses preceitos formam uma base sólida e necessária para o bom entendimento da teoria proposta pelo francês.

Abaixo, segue explicação de cada um deles:

   

1. Divisão de trabalho

Fayol propõe uma separação de atividades específicas a cada funcionário, de maneira que a divisão do trabalho seja minuciosamente cumprida.

2. Autoridade responsável

Por meio de sua autoridade, o gerente tem o dever de instruir, penalizar e recompensar os seus subordinados, a depender dos resultados por eles alcançados.

3. Disciplina

Cumprimento daquilo que foi acordado entre funcionários e alta gestão, procurando manter as regras estabelecidas.

4. Unidade de comando

Cada funcionário terá somente um superior hierárquico ao invés de receber ordens de múltiplos chefes.

5. Unidade de direção

Mais amplo que o princípio anterior, a organização terá apenas uma só direção, cuja meta é a de cumprir o objetivo principal que antes fora estabelecido.

6. Subordinação

Obediência e foco no interesse organizacional como um todo em detrimento dos interesses individuais de cada funcionário.

7. Política salarial

O homem é motivado principalmente por vias salariais. A remuneração tem de ser ajustada proporcionalmente conforme a produção de cada um.

Princípios da administração
Henri Fayol (1841 – 1925) – Domínio Público

8. Centralização

Não tão somente ao chefe responsável, mas também na delegação de determinados poderes a subordinados como maneira de fomentar a iniciativa.

9. Linha de autoridade ou cadeia escalar

Também denominada de “ponte de Fayol”, a linha de autoridade corresponde à série de chefias numa cadeia escalar organizacional, sendo que cada chefia constrói ativamente relações diretas e recíprocas, umas com as outras.

10. Ordem

O funcionário deverá obedecer à sua própria zona estipulada de trabalho. O local das atividades de cada um será cuidadosamente estabelecido e cumprido.

11. Equidade

As pessoas serão tratadas de forma justa e equânime, resguardado, no entanto, o direito de punições quando necessárias.

12. Estabilidade

Busca pela preservação da equipe em favor da sua motivação e promoção de desenvolvimento pessoal.

13. Iniciativa

As equipes de trabalho necessitam funcionar de maneira responsável e ativa na busca dos melhores resultados organizacionais.

14. Espírito de equipe

As empresas se fazem por meio de um conjunto harmonioso de colaboradores. Deve haver, portanto, um espírito de colaboração entre os membros para o alcance das metas preestabelecidas.

Conclusão

No livro em que publicou os 14 princípios citados acima, Fayol desenvolveu também diversas outras ideias que auxiliaram na separação da área administrativa das funções compreendidas como mais técnicas em uma empresa.

Assim, seus estudos promoveram um melhor entendimento das funções características de gestores e administradores.

Ressalta-se, ainda, que a administração não se confunde apenas com uma tarefa em particular. Mas, é sobretudo uma arte englobando múltiplas funções e que necessita enxergar a empresa como um todo.

Por fim, recomendamos a leitura do post abaixo que relata a trajetória de vida de Henri Fayol:

   

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Introdução à Administração. 4ª Edição. São Paulo: Atlas, 1995.

MOTTA, Fernando C. Prestes. Teoria Geral da Administração: uma introdução. 2ª Edição. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1973.

Leonardo Marioto

Leonardo Marioto

Servidor público. Músico e escritor nas horas vagas. É também responsável pelo maior site de humanas do Brasil! Formado em Administração pela UNICEP, com especialização em Gestão Organizacional e de Pessoas pela UFSCar.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Posts recentes

Posts populares