Revisionismo Histórico: Uma Busca por Legitimação

rever ou negar questões do passado jamais é uma atividade “neutra” em termos de valores políticos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Atualizado em
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Sempre vem à tona o debate sobre o revisionismo histórico quando, por exemplo, membros do governo brasileiro atual buscam relativizar os crimes da ditadura militar – ou mesmo negá- los, desqualificando e esvaziando de legitimidade os consensos historiográficos sobre eles.

Mas, afinal, o que vem a ser o revisionismo histórico? O que ele significa e qual é o sentido de se reelaborar a forma como o passado é contado?

Revisionismo histórico: uma busca por legitimação

revisionismo histórico
Cartaz de manifestações realizadas semanas antes do golpe militar de 1964 – Imagem por Acervo Público

Antes de buscar a resposta – ou melhor dizendo, as respostas – a tais questões, é necessário pontuar que ter uma narrativa hegemônica ou predominante sobre o passado é, antes de tudo, uma disputa política no presente.

Dizer, por exemplo, que os crimes do holocausto não foram tão terríveis quando se é apresentado em algumas narrativas históricas mais difundidas não se reduz somente a uma disputa pela verdade, no sentido científico do termo, sobre os fatos do passado.

   

O mesmo ocorre, por exemplo, a respeito de abusos e crimes cometidos por ditaduras. Trata- se, sobretudo, de legitimar no debate público tais ações e projetos políticos que dialogam, em alguma medida, com tais traumas do passado.

Por sua vez, é importante destacar também aquilo que mostra Jorn Rüsen (2009: 68-170) de que essas reinterpretações narram o passado constituindo sentidos e identidades no presente.

Revisionismo histórico, uma questão narrativa

Isto é, são narrativas constitutivas de coesão social de determinados grupos, compartilhadas por eles. Assim, reinterpretar o passado, como diz Hayden White (2014: 3-28) é mobilizar suas interpretações num sentido prático, útil em disputar e moldar o presente.

Dessa forma, rever ou negar questões do passado jamais é uma atividade “neutra” em termos de valores políticos.

Uma revisão do passado

A história, em si, é um campo do conhecimento afeito a constantes revisões de seus pressupostos, conclusões, teses e outros elementos importantes.

Novas fontes, métodos e problemáticas fazem com que o passado seja constantemente reelaborado e rediscutido. E mesmo no curso de disputas em torno das interpretações dessas fontes e do passado, a intersubjetividade dos historiadores aliada ao rigor metodológico das pesquisas faz com que a história como ciência evolua, no sentido de não ser estanque. Sua produção é, assim, tão viva quanto a própria humanidade que a produz.

Revisão natural e revisionismo

Com efeito, a revisão natural e necessária é diferente do revisionismo. É uma problemática que já foi levantada por pensadores como Adorno (1995: 29-31) e Vidal-Naquet (1988), e tiveram profusão na problemática sobre o holocausto nazista.

revisionismo histórico
Crianças sobreviventes do campo de concentração de Auschwitz – Imagem por Alexander Voronzow. Domínio Público

Entre as décadas de 1950 e 1990, em diversos momentos, autores diversos e com objetivos variados fizeram publicações que buscaram a realidade das câmaras de gás e as execuções em massa, como a chamada “solução final”.

   

O que se via nesses escritos era, pelo menos, duas formas de tentar recontar o passado sobre os horrores do nazismo.

Revisionismo histórico x Negacionismo histórico

Uma dessas publicações, evocava um apelo ao debate crítico e aberto, sem preconceitos ou tabus em tocar nos temas sensíveis.

Partia de um reconhecimento, ainda que relativo, dos terríveis crimes do nazismo. Contudo, tentava apresentar uma narrativa alternativa a esse passado, de maneira a atenuá-lo e relativizá-lo intencionalmente. Trata-se, no caso, do chamado revisionismo histórico.

Mas há também a sua versão radicalizada, aquela que segundo Vidal-Naquet significava uma forma de assassinato de memória, ou atacar grupos específicos e minoritários naquilo que possuem de valoroso – sua memória histórica – usando da falsificação das fontes, da historiografia e de um falseamento em maior ou menor grau dos métodos de análise do passado para negar crimes e traumas como o holocausto. Trata-se, aqui, do negacionismo histórico.

O negacionismo e a história no presente

Como vimos, o negacionismo e o revisionismo remontam tentativas de reinterpretar ou reescrever a história do holocausto, negando ou esvaziando seus crimes e traumas.

É importante frisar que o advento da internet fez com que esse tipo de narrativa histórica saísse de meios de circulação específicos que compartilhavam seus escritos, como de grupos neonazistas, para tornarem-se mais abertos e transnacionais (DE CARVALHO, 2016).

E quanto a seus objetos, sabemos da profusão de negacionismos e revisionismos sobre a ditadura militar, na qual esse recontar da história serve a projetos autoritários no presente brasileiro (PEREIRA, 2015).

Golpe de 64
Destituição do Governo João Goulart no Golpe de 64 – Imagem em Arquivo Nacional. Domínio Público

Entretanto, engana-se quem acredita que negacionismos dirigem-se apenas a passados recentes, como os do século XX, nos exemplos acima analisados.

O politicamente incorreto

Renato Pinto Venâncio (2018), por exemplo, mostra claramente que essa forma de narrar o passado é adotada pelos “Guias do Politicamente Incorreto”, de Lenadro Narloch.

Loureiro e Della Fonte (2010: 91) analisam que mesmo empresas privadas, em disputas com quilombolas e indígenas por terras, recorrem a esses métodos desonestos de interpretar o passado na sustentação de sentidos históricos para disputas de terras.

Por fim, existe, ainda, uma considerável produção de textos negacionistas ou revisionistas a respeito dos tribunais da Inquisição, nos quais se busca defender seus supostos benefícios à humanidade e reduzir a dimensão de suas violências de maneira a se construir um passado idealizado para grupos católicos ultraconservadores do presente (ROCHA, 2019).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ADORNO, Theodor W. O que significa elaborar o passado. Educação e emancipação. Trad. Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1995. p. 29-49.

DE CARVALHO, Bruno Leal Pastor. O negacionismo do Holocausto na internet: o caso da “Metapédia – a enciclopédia alternativa”. Faces da História, v. 3, n. 1, p. 5-23, 2016.

FONTE, Sandra Soares Della; LOUREIRO, Robson. Revisionismo Histórico e o Pós-Moderno: Indícios de um Encontro Inusitado. Impulso, v. 20, n. 49, p. 85-95, 2010.

PEREIRA, Mateus Henrique de Faria. Nova direita? Guerras de memória em tempos de Comissão da Verdade (2012-2014). Varia Historia (Belo Horizonte), v. 31, n. 57, p. 863-902, 2015.

ROCHA, Igor Tadeu Camilo. Entender ou defender o Santo Ofício? Negacionismo, apologética e usos da história inquisitorial em Para entender a Inquisição (2009), de Felipe Aquino. História da Historiografia (Ouro Preto), v. 12, n. 29, p. 179-213, 2019.

RÜSEN, Jörn. Como dar sentido ao passado: questões relevantes de meta-história. História da historiografia, v. 2, n. 2, p. 163-209, 2009.

VENÂNCIO, Renato P. O Incorreto no Guia politicamente incorreto da história do Brasil. Resenha do livro: Guia politicamente incorreto da história do Brasil. 2 ed. São Paulo: Leya, 2012. (Primeira edição em 2009), versão e-book. HH Magazine: humanidades em rede.

   

VIDAL-NAQUED, Pierre. Os assassinos da memória: um Eichmann de papel e outros ensaios sobre o revisionismo. Campinas: ed. Papirus, 1988.

WHITE, Hayden V. The practical past. Evanston, Illinois: Northwestern University press, 2014.

Igor Rocha

Igor Rocha

Historiador de formação e comenta sempre sobre política. Além disso, aprecia uma boa cerveja, rock e metal. É ainda mestre e doutor em História pela UFMG.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Posts recentes

Posts populares