Revisionismo Histórico: Uma Busca por Legitimação

rever ou negar questões pretéritas jamais é uma atividade “neutra” em termos de valores políticos

Sem tempo para ler o artigo? Aperte o PLAY e ouça-o na íntegra!

Os textos publicados nesta seção não traduzem a opinião do De humanas. As publicações têm somente o propósito de estimular o debate e a reflexão de questões brasileiras e mundiais.

Sempre vem à tona o debate sobre o revisionismo histórico quando, por exemplo, membros do governo brasileiro atual buscam relativizar os crimes da ditadura militar – ou mesmo negá-los, desqualificando e esvaziando de legitimidade os consensos historiográficos sobre eles.

Mas, afinal, o que vem a ser o revisionismo histórico? O que ele significa e qual é o sentido de se reelaborar a forma como o passado é contado?

O que você vai encontrar neste artigo:

1.Revisionismo histórico: disputa política no presente
2. Revisionismo histórico: revisão do passado
3. Negacionismo e a história no presente

Revisionismo histórico: disputa política no presente

Antes de buscar a resposta – ou melhor dizendo, as respostas – a tais questões, é necessário pontuar que ter uma narrativa hegemônica ou predominante sobre o passado é, antes de tudo, uma disputa política no presente.

Dizer, por exemplo, que os crimes do holocausto não foram tão terríveis quando se é apresentado em algumas narrativas históricas mais difundidas não se reduz somente a uma disputa pela verdade, no sentido científico do termo, sobre fatos decorridos.

O mesmo ocorre, por exemplo, a respeito de abusos e crimes cometidos por ditaduras. Trata- se, sobretudo, de legitimar no debate público tais ações e projetos políticos que dialogam, em alguma medida, com tais traumas do passado.

PUBLICIDADE

Por sua vez, é importante destacar também aquilo que mostra Jorn Rüsen (2009) de que essas reinterpretações narram o passado constituindo sentidos e identidades no presente.

Isto é, são narrativas constitutivas de coesão social de determinados grupos, compartilhadas por eles. Assim, reinterpretar o passado, como diz Hayden White (2014) é mobilizar suas interpretações num sentido prático, útil em disputar e moldar o presente.

Dessa forma, rever ou negar questões pretéritas jamais é uma atividade “neutra” em termos de valores políticos.

Revisionismo histórico: revisão do passado

Revisionismo histórico