Sistema Eleitoral Americano: Das Distorções às Origens Escravistas

é possível alterar o sistema eleitoral americano da forma como ele está estruturado atualmente? A resposta é sim, mas com diversos "poréns"!

Sem tempo para ler o artigo? Aperte o PLAY e ouça-o na íntegra!

Os textos publicados nesta seção não traduzem a opinião do De humanas. As publicações têm somente o propósito de estimular o debate e a reflexão de questões brasileiras e mundiais.

No artigo passado, descrevemos de maneira profunda o funcionamento do sistema eleitoral americano. Agora, pretendemos desvendar um pouco as suas origens.

Em primeiro lugar, fazemos a pergunta: é possível alterar o sistema eleitoral americano da forma como ele está estruturado atualmente? A resposta é sim, mas com diversos “poréns”.

O que você vai encontrar neste artigo:

1. Distorções do sistema eleitoral americano
2. Origens escravistas do sistema eleitoral dos EUA
3. Conclusão

As distorções do sistema eleitoral americano

A legitimidade desse sistema não raras vezes é questionada.

PUBLICIDADE

Há duas formas principais de distorção da vontade popular expressa no voto com a regra eleitoral dos EUA, levando o candidato que não obteve a maioria dos votos dentre a população estadunidense a vencer o pleito.

E ambas distorções passam pelo sistema colegiado.

A primeira…

A primeira distorção se dá pela representação proporcional na Casa dos Representantes.

De acordo com ela, os estados mais populosos não têm um número de representantes equivalente à sua população.

Assim, estados mais populosos, como Califórnia, Texas, Flórida e Nova York possuem proporcionalmente menos eleitores do que aqueles estados menores, como o Maine ou o Nebraska, citados no artigo anterior.