Teoria Clássica da Administração: Estudos de Henri Fayol

a teoria clássica da administração de Fayol instituiu 14 princípios fundamentais para as mais diversas estruturais organizacionais

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Atualizado em
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Henri Fayol foi responsável pela elaboração da denominada Teoria clássica da administração (ou fayolismo).

Ao lado de Taylor e outros estudiosos de mesma época, compõe a Abordagem clássica da administração.

Graças à sua vida de intenso trabalho e pesquisa, além da versatilidade em diferentes áreas de atuação, Fayol trouxe uma nova concepção no mundo empresarial.

Este artigo não tem a pretensão de ser uma análise completa e acabada. Pelo contrário, as contribuições tanto de Fayol como a de seu contemporâneo Taylor são muito profundas e vastas.

   

Assim, primeiramente, trataremos sobre a vida de Henri Fayol e, em seguida, das principais características de sua tão conhecida Teoria clássica.

A ligação de Fayol com o fazer administrativo

Para entendermos a relevância das teorias de Fayol dentro da área administrativa é preciso conhecer um pouco mais sobre sua trajetória.

Filho de pais franceses e nascido em Istambul na Turquia, desde pequeno Fayol teve contato com a engenharia, profissão que era também de seu pai.

Quando jovem, sua família retornou ao país de origem. Nessa época, Fayol demonstrou grande interesse pela engenharia e também geologia, áreas nas quais acabou se formando.

Porém, o desenvolvimento de seu pensamento com relação à administração aflorou quando começou a trabalhar.

A história de Fayol na companhia de mineração

Em meados dos anos de 1859, Henri Fayol empregou-se em uma companhia de mineração cujos resultados financeiros estavam cada vez mais piores.

No entanto, devido ao seu empenho e visão, a empresa em questão superou a crise e começou a gerar respostas positivas. Ele conseguiu alavancar a companhia e evitou que ela decretasse falência.

Henri Fayol começou, então, a conciliar o trabalho diário com a elaboração de uma série de ideias sobre gestão, produção e resultados.

Para acompanhar com mais detalhes a vida de Henri Fayol, leia o post abaixo:

   

Principais preceitos da Teoria clássica da administração

De maneira geral, Fayol começou a prestar atenção na forma pela qual uma empresa era capaz de funcionar estruturalmente.

Ele acreditava que para gerar resultados um empreendimento tinha de ser organizado de uma forma proporcional.

Dentro desse contexto, Henri Fayol defendia que a administração deveria ser vista como uma profissão funcionando a partir de cinco elementos principais:

     1. Planejamento
     2. Organização
     3. Controle
     4. Coordenação
     5. Comando

Esse conjunto de diretrizes ficou conhecido como POCCC.

Recomendamos também este artigo que trata das funções administrativas, ou seja, um aperfeiçoamento das funções POCCC: [infográfico] Saiba quais são as Funções Administrativas “PODC”

14 princípios da administração

Além disso, Fayol também instituiu 14 importantes princípios relacionados à uma administração eficaz para os mais variados tipos de empresas.

De forma geral, suas considerações englobavam questões principais como:

  • Disciplina
  • Distribuição justa de salários
  • Divisão de trabalho
  • Hierarquização
  • Ordem
  • Centralização
  • Estabilidade

Cada um desses princípios também pode ser lido mais detalhadamente no artigo abaixo:

Em relação à divisão do trabalho, esta estava intimamente relacionada com a eficiência da organização.

Para a Escola Clássica “quanto mais o agrupamento de tarefas em departamentos obedecer ao critério da semelhança de objetivos, mais eficiente será a empresa” (MOTTA, 1973).

Importante destacar também que, para Fayol, o ato de administrar deve-se apoiar basicamente nas tarefas em si, e não tanto naqueles que irão desempenhá-las.

Parte-se, portanto, de um pressuposto mais idealizado, visto que organizações são compostas essencialmente por seres humanos dotados de razão, mas também, emoção.

Administração Industrial Geral

Com o intuito de aprimorar seus aprendizados, Fayol criou o Centro de Estudos Administrativos.

Por volta dos seus 58 anos de idade, reuniu todas as ideias e escreveu um de seus mais importantes livros “Administração Industrial e Geral“:

Administração Industrial e Geral
Administração Industrial e Geral, Henri Fayol

Sua obra prioriza a divisão da empresa em seis atividades específicas:

  1. Técnica (a produção em si)
  2. Comercial (atividades de compra, venda etc.)
  3. Financeira (a busca de meios e recursos)
  4. Segurança (tanto pessoal quanto da própria empresa)
  5. Contabilidade (quantificação de estoques, custos etc.)
  6. Administração (POCCC)

Em cada uma dessas estruturas, Fayol elencou uma série de observações sempre se baseando em seus cinco princípios sobre a administração e também os 14 fundamentos de gestão.

Assim, estabeleceu uma série de parâmetros importantes para pensar na gestão estrutural de um negócio.

teoria clássica da administração
Imagem por Gerd Altmann em pixabay.com

Teoria clássica da administração: ciência e prática

A partir de sua esquematização, Fayol ajudou a consolidar diversas áreas que são indispensáveis para qualquer empresa contemporânea.

   

Foi possível desenvolver frentes, como as áreas de produção, vendas e marketing, finanças e recursos humanos.

Além disso, criou conceitos que ajudaram a definir a estrutura de cargos, métodos e estratégias de produção e do acompanhamento de resultados.

Seu pensamento ajudou na instituição de fatores como especialização de serviços, equiparação salarial, proatividade, liderança e disciplina para que cada setor realizasse o que lhe fosse pedido.

Henri Fayol x Frederick Taylor

Henri Fayol sempre teve o objetivo de consolidar a forma como uma empresa era organizada para que esta gerasse resultados.

Junto com Frederick Taylor, foi capaz de estabelecer as bases do estudo administrativo como uma ciência.

Porém, ao contrário do primeiro, que tinha como ênfase as tarefas, Fayol optava por considerar suas inter-relações estruturais. Ou seja, a organização vista em sua totalidade.

Além da administração

Henri Fayol por ser um crítico do estudo excessivo de cálculos matemáticos contribuiu também para diversas outras áreas, sobretudo no aprimoramento de métodos quantificativos.

Construiu um legado que influenciou diversas correntes de pensamento.

Uma das mais importantes foi a de Henri Ford, que criou uma companhia multimilionária e desenvolveu a bem-sucedida Teoria do fordismo.

Conclusão

As bases do trabalho e do pensamento de Fayol sempre estiveram vinculadas à organização e ao planejamento prévio em todos os setores de uma empresa.

Ao se formar em mineração e engenharia, e trabalhar por sua vida em empresas desse segmento, o francês ocupou cargos de gerência e teve um importante contato com funcionários e métodos que lhe inspiraram de maneira fundamental.

Diferentemente de Taylor, que estudava a organização de baixo para cima, Fayol tratou de visualizá-la a partir do nível estratégico, isto é, de cima para baixo.

Críticas à Teoria clássica da administração

No entanto, o fayolismo também foi alvo de críticas.

Uma das principais foi a ideia da empresa vista sob a ótica de um sistema fechado. Ou seja, supostamente livre de interferências ambientais externas.

Homo economicus

Além disso, padronizou o homem como um ser estritamente racional e que está meramente em busca da maximização de seus meios salarias e econômicos.

Este conceito ficou conhecido como homo economicus.

Ainda assim, ressalta-se que até hoje suas teorias são acompanhadas e estudadas em todo o mundo.

Influencia diversos gestores a aprimorarem os seus meios de produção, o que faz dele um dos mais importantes teóricos da área da ciência administrativa.

Por Leonardo Marioto
Formado em Administração pela UNICEP, com especialização em Gestão Organizacional e de Pessoas pela UFSCar

Colaboração de Jeferson Scholz
Graduado em Jornalismo pela Universidade de Caxias do Sul

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Introdução à Administração. 4ª Edição. São Paulo: Atlas, 1995.

MOTTA, Fernando C. Prestes. Teoria Geral da Administração: um introdução. 2ª Edição. São Paulo: Biblioteca Pioneira de Administração e Negócios. 1973.

BEZERRA, Filipe. Henri Fayol e o Processo Administrativo. Acesso em: 13 de junho de 2010.

Leonardo Marioto

Leonardo Marioto

Servidor público. Músico e escritor nas horas vagas. É também responsável pelo maior site de humanas do Brasil! Formado em Administração pela UNICEP, com especialização em Gestão Organizacional e de Pessoas pela UFSCar.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Posts recentes

Posts populares